segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Dicionário do Artista – Da letra M à Q

Hoje, você vai conhecer os sinônimos de palavras do Dicionário do Artista que iniciam com as letras M, O, P, e Q. Para visualizar todo o dicionário, basta acompanhar os próximos posts aqui no blog ou acessar o site da Jung.



Letra M

Maiólica. É o processo de decoração no qual óxidos corantes e pigmentos são pintados sobre a superfície (clara) de uma peça de faiança, coberta com esmalte à base de estanho. Durante a queima os pigmentos se fundem ao esmalte. Tem como característica cores fortes e vibrantes. Queima de baixa temperatura

Manta Cerâmica. Produto sintético composto de fibras originárias do quartzo. Refratária usada como isolante em fornos.

Máscara. Adesivo (cera, latex, parafina, papel, fita etc) colocado na superfície da peça. Serve para isolar determinado local que se quer decorar de modo diferente com engobe ou esmalte.

Maturação da Argila. Queima da argila até o ponto. O limite da temperatura e o ponto da maturação dependem da composição de cada argila/massa. Sua estrutura molecular torna-se extremamente densa e a argila não fica porosa, impermeável e vitrificada.

Mobília. São utensílios de cerâmica refratários próprios para montagem das prateleiras nos fornos, e isto facilita espaço dentro do forno.

Molde. Modelo com formato determinado que serve para dar feitio a uma peça. Pode ser composto de uma ou de várias partes. É confeccionada de gesso, argila (em biscoito), vidro, plástico, silicone etc. A argila é aplicada no molde pressionada ou vertida.

Mufla. Recipiente de argila, com tampa, onde são colocadas peças pequenas e delicadas para esmaltar. Opcionalmente, podem ser misturadas com serragem, palha de arroz, óxidos etc.
Com este artifício podem ser obtidas colorações, manchas e efeitos muito interessantes nas peças.
O conjunto (recipiente e peças) é colocado dentro do forno não tendo as peças contato direto com a chama.



Letra O

Opacificante. Material que cria uma barreira impeditiva para a passagem de feixes luminosos. Misturado em esmalte que contenha óxido colorante atua clareando e modificando quase todos os matizes. É sempre uma substância refratária. Principais substâncias opacificantes: óxido de estanho, de zircônio e de titânio. Os óxidos de alumínio, zinco e magnésio atuam como opacificantes se usados em grandes quantidades. O óxido de titânio além de opacificante possui também um caráter colorante podendo produzir tons tostados, amarelados e até azuis.

Óxido de Bário. Fundente usado na composição dos esmaltes cerâmicos. Usado na forma de carbonato. Atua como fundente secundário em esmaltes de alta temperatura tornando-os fluidos e lustrosos. Realça as cores. É tóxico. Fusão em 1300º C.

Óxido de Cromo. Colorante usado na composição de esmaltes cerâmicos. Produz tons verdes escuros e tons de rosa quando associado ao estanho. Na queima de baixa temperatura, com base de chumbo e pouca alumina, pode-se obter as cores: vermelho laranja e amarelo. Deve-se ter muito cuidado para não inalar a sua poeira, pois há indícios de ser tóxico e cancerígeno.

Óxido de Selênio.Colorante usado na composição de esmaltes cerâmicos. Muito tóxico, normalmente produz cores firmes e luminosas, suporta temperatura até 900º C, usa-se em queima de baixa temperatura - maiólica, rakú, cerâmica comum vitrificada. Deve ser evitada a aplicação em objetos utilitários que possam conter líquidos e alimentos.

Óxido de Zinco. É usado na composição dos esmaltes cerâmicos. Produz em pequena porcentagem esmaltes lisos e lustrosos. Em alta porcentagem produz esmaltes foscos.



Letra P

Papel Anagliptográfico. Possui desenhos em relevo tipo textura. Usa-se na decoração de peças pressionando-o contra a argila ainda moldável.

Paper Clay. Mistura de papel com argila. Faz peças diferentes por ser bastante plástico resistindo bem a grandes tensões. As peças ficam mais leves, pois a celulose usada na composição da massa mistura-se durante a queima.

Patamar. Interavalo de tempo de manutenção de uma mesma temperatura durante uma queima.

Pátina. Tratamento na superfície da cerâmica, depois da queima, que simula envelhecimento.

Peça Crua. Argila já modelada ainda não queimada no forno.

Pelotas. Barro em formato de bola usado no torno pelos oleiros no torno.

Placa Refratária. Chapa feita de cerâmica refratária que resista a uma temperatura superior a máxima obtida pelo forno

Ponto de Fusão. Etapa final do processo em que o esmalte se funde aderindo à superfície da peça tornando-se vítreo e impermeável.

Porcelana. É uma massa branca (caulim), muito refratária, que há pouca plasticidade. De difícil aplicação em modelagem. O uso mais apropriado é na forma líquida em moldes. Queima em temperatura bastante elevada (em torno de 1300º C). Possui na sua composição grande quantidade de caulim que na queima transforma-se em material translúcido, vítreo, não poroso. A fórmula básica da porcelana é: caulim 50%, feldspato 25% e quartzo 25%.

Prateleira Refratária. É uma placa de cerâmica refratária que resiste a temperatura mais alta do que a da queima. Local onde são arrumadas as peças dentro do forno.



Letra Q

Quartzo. Mineral com maior quantidade da crosta terrestre. Na forma de Sílica é componente mais importante dos vidrados.

Queima de Biscoito. Primeira queima da argila sem a aplicação de esmalte. É quando a argila/barro se transforma em cerâmica. Normalmente eleva-se a 800/900OC. Até os 200OC deve ser bem lenta para permitir uma gradual evaporização da água sem causar grandes tensões, evitando rachaduras. Dura cerca de 8 horas, essa queima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário