sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Veja dicas para a queima de peças artísticas (continuação)

O que é “temperatura ideal”?

Cada cor (pigmento) precisa atingir um determinado grau de temperatura para deixá-la com sua luminosidade própria (brilho). Existe também uma tolerância maior ou menor de cada pigmento, quanto às misturas entre si, que ococrrem principalmente na pintura impressionista (em forma de “esfumaceado” – quando as cores se confundem).

A “temperatura ideal” é quando se consegue equilibrar essas pequenas diferenças de temperatura entre os pigmentos e os diferentes materiais, conseguindo a luminosidade das cores e textura de forma padronizada em toda a peça, sem desbotar as cores, quer sejam cores puras ou misturadas entre si.

E essa temperatura personalizad do seu forno se consegue descobrir através das queimas de testes. Por isso, recomendamos que se faça queimas de testes com várias cores e em diferentes materiais, utilizando pinceladas de cores puras e outras pinceladas com outras cores para observar o resultado.

Quando à pintura, existem algumas cores que exigem mais atenção, conforme a tabela abaixo:


Aos poucos, você vai descobrir que as técnicas são infinitas e para cada técnica tem a temperatura considerada ideal. Após algumas queimas você saberá rapidamente qual a “temperatura ideal” de seu forno.

Nada nos impede de misturar na mesma fornada peças de diferentes materiais (ex.: porcelana, faiança...) tudo depende da técnica aplicada e saber antecipadamente qual a temperatura ideal para ambas ficarem com a mesma qualidade de queima

Campo Homogêneo

A temperatura homogênia está no centro do forno, onde inicia o “campo” homogêneo. Este campo vai aumentando do centro em direção às paredes e termina perto delas, a uma distância entre 5 a 10cm. Este campo sempre é menor que o forno.

Enquanto não conhecer o campo homogêneo de seu forno, e necessitar de uma queima igual para todas as peças, é aconselhável distanciar as peças da soleira, do teto e das quatro laterais.

O ideal é fazer fornadas de teste com montagens diferentes. Usar aquelas cores que modificam com pequena variação de temperatura.

Fazer uma “mapa” como estavam colocadas, para, após a mesma quima, demarcar o campo que ficou bom. Anotar a temperatura e o tempo de patamar.

Diversos fatores contribuem para aumentar o campo homogêneo.

Os principais são:

- Boa circulação entre peça e próprio forno.
- Patamar com tempo superior a 30 minutos (às vezes deve diminuir a temperatura).

Nenhum comentário:

Postar um comentário